Eco atitude do dia – dia 42

Você é daquelas pessoas que troca de celular/notebook/tv mais de uma vez ao ano? Daquelas pessoas viciadas em tecnologia? Saiba que assim está contribuindo para um mundo mais poluído. Frear o consumo de eletrônicos é uma grande eco atitude. No blog do Sakamoto, encontrei um artigo sobre isso (indico a leitura), copio uma frase que achei interessante:

Neste momento em que todos louvamos o admirável mundo novo trazido pela tecnologia, com suas distâncias encurtadas e a possibilidade de distribuir conhecimento, faz-se necessário manter os olhos bem abertos sobre os seus efeitos colaterais, agravados pelo consumismo inconsequente. Até porque, a estrada para a perdição é asfaltada com monitores de computador usados (e rejuntada com saquinhos plásticos, é claro).

Então aguenta aí mais um pouco com o celular que ainda funciona, pense antes de juntar em casa uma pilha de aparelhos, bateriais, carregadores, etc. e faça uma eco atitude: freie seu consumo, e jogue lixo eletrônico no lugar certo.

Anúncios

Como você pode diminuir o uso do cimento da sua obra?

A indústria do cimento, principalmente no Brasil, tem elevado poder poluidor, além de consumir materiais e energia de fontes não renováveis. A produção global de cimento portland é responsável por algo em torno de 6% de todas as emissões antropogênicas de CO2 (John, Oliveira e Agopyan, 2005). Durante as queimas ocorridas nos fornos de clínquer, um volume grande de material particulado é emitido na atmosfera e muita energia é gasta. A indústria do cimento, pela sua magnitude, consome 5% do consumo total de energia do setor industrial.

Porém não podemos ficar sem o cimento, esta grande invenção de mais de 5 mil anos e que propiciou a construção de obras fantásticas. O que podemos fazer é usar recursos para não ficarmos tão dependentes desta matéria-prima e usá-la de forma mais sustentável:

  1. Contrate um engenheiro calculista, uma estrutura bem calculada fará com que não haja excesso de concreto armado na obra o que é comum quando a obra é feita por leigos que preferem “errar pelo excesso”;
  2. Alivie cargas na obra utilizando materiais leves, assim as estruturas ficarão mais delgadas fazendo menor uso do cimento;
  3. O uso de tijolo cerâmico maciço ou blocos de solo estabilizado (solo-cal, adobe…) aparentes diminui muito o uso do cimento porque dispensa pilares e vigas de concreto e dispensa o reboco;
  4. Contrate mão-de-obra qualificada, o que evitará desperdício de cimento, principalmente em rebocos muito espessos;
  5. Substitua o cimento pela cal, que bem menos poluente. A substituição pode ser completa na massa de assentamento: use a proporção de uma parte de cal para 4 de areia.
Há alguns produtos no mercado bastante eficientes no uso do cimento, como é o exemplo do Reboco fino:

No Brasil, como a produção do cimento é bastante diversificada e dispersa, dependendo dos recursos locais, cada região brasileira conta com a disponibilidade de algum tipo diferente de cimento. No nordeste brasileiro, optar pelo cimento CPIII, por exemplo, além de ser alternativa mais sustentável, é mais econômica e mais viável, por ser o tipo de cimento mais comum na região. No sul do Brasil, o uso mais comum é do CP IV, ou cimento pozolânico, que possui em sua mistura cinza volante resultante da queima de carvão mineral[1].

QUER SABER MAIS SOBRE MATERIAIS E OBRAS MAIS SUSTENTÁVEIS?

ACESSE NOSSA LOJA VIRTUAL E VEJA NOSSA APOSTILA:

 


[1] O estado de Santa Catarina é grande produtor de carvão mineral, já possui uma grande reserva.