Design inteligente é design sustentável

Cada vez mais percebemos que os modismos não vêm para ficar e sim para ir embora rapidinho! O foco tem sido este, nada dura muito tempo e você logo quer trocar de sofá, de estante, de cores, de paredes… antes mesmo disto tudo estragar ou estar em mau estado. A obselescência das modas chegam antes da obselescência do próprio objeto. E a sustentabilidade, onde fica?

Acreditamos que design inteligente mesmo é aquele que vem para ficar, que dura anos, é atemporal, honesto, útil, inovador, isso sim é sustentabilidade. Um design muito modista não tem durabilidade e perde razão de ser em poucos anos, ou seja, é um design ruim, como dizia o grande mestre Dieter Rams: “O bom design é tão pouco design quanto possível”. O desenho de Dieter é bruto, limpo, direto, mas causou uma revolução, mostrando que a simplicidade e a modulação leva a obselescência para longe.

Vivemos num mundo super-consumista, porém nossos estilo de vida não se sustentará por muito tempo, é preciso mudar padrões. Projetar os ambientes internos deve ser tarefa inteligente, com olhar apurado sobre o que já existe e o que deverá ser criado, avaliando tudo que entrará e sairá do processo. Um grande nome, que veio para revolucionar conceitos de design é Ken Yeang, em seu livro Ecodesign ele oferece um novo desafio ao design e traça novos paradigmas a serem seguidos:

 Projetar para reutilização (DFD);
 Projetar para reciclagem (DFD);
 Projetar para durabilidade;
 Projetar para reduzir a quantidade de materiais usados;
 Projetar para minimizar o desperdício;
 Projetar para a reintrodução ao ambiente natural, utilizando materiais biodegradáveis e atóxicos;
 Projetar para o conserto e manutenção para a reutilização;
 Projetar para o aperfeiçoamento, “upgrading”;
 Projetar para substituição.
 Use materiais reciclados e recicláveis onde for possível;
 Minimize o número de tipos de materiais;
 Evite materiais tóxicos e perigosos;
 Evite materiais compostos, pois podem ser de difícil reciclagem;
 Padronize e identifique sempre os tipos de materiais;
 Minimize o número de diferentes tipos de componentes;
 Use conexões mecânicas ao invés de químicas;
 Use projeto modular;
 Projete juntas e conectores para resistir a montagens e desmontagens repetidas;
 Use materiais e componentes leves;
 Identifique sempre o ponto da desmontagem.

Procurando seguir este modelo, a Ecodhome projetou a loja Eco, que desde o princípio foi sustentável. A loja Eco comercializa produtos infantis de empresas que possuem ações sócio-ambientais comprovadas. O projeto da loja partiu do conceito “less is more” tentando minimizar a quantidade de móveis e “coisas” sem uso, tudo dentro da loja tem uma razão de ser e os móveis foram limpos retos e modulares, porém sem perder o charme, assim as mudanças do tempo podem ocorrer sem percalços e perdas e os módulos podem até serem reaproveitados para outros usos, como o doméstico.

Saiba mais sobre o projeto e assista ao vídeo que explica todo o processo de criação da loja Eco, projetada pela Arquiteta Carine Nath da Ecodhome, AQUI.

Anúncios

Iluminação eficiente

Os gastos com iluminação artificial podem gerar um alto custo mensal para os edifícios, o planejamento de uma iluminação ineficiente torna-se tarefa imprescindível para os arquitetos que pretendem alcançar a alta qualidade nos espaços construídos.

Planejar eficientemente a iluminação não é apenas usar lâmpadas de baixo consumo, é preciso considerar uma série de fatores que podem afetar na eficiencia geral da iluminação. A Ecodhome desenvolveu uma espécie de checklist para o desenvolvimento de um projeto de iluminação eficiente:

1. Otimizar a iluminação natural: um projeto eficiente começa desde os primeiros traços arquitetônicos, quando se pensa em arquitetura bioclimática. Um edifício eficiente aproveita a luz solar durante todo o dia, mas sem ganhar calor através dos raios solares. Esta é uma tarefa difícil e precisa ser bem pensada fazendo-se uso de vários elementos de fachada que permitam o ganho da luz, sem ganhos excessivos de calor, tais como: uso de vidros epeciais, uso de brises, platibandas, clarabóias, domos, etc. Um projeto de iluminação natural eficiente deve considerar inclusive a qualidade da iluminação pretendida, que satisfaça os usos da edificação ou valorize formas e ambientes internos. A seguir o exemplo de uma boa iluminação natural do projeto dos arquitetos José Gomes e Karla Figueiredo:

2. Calcular a iluminação artificial: na hora de projetar o sistema artificial é preciso, em primeiro lugar calcular a iluminação requerida para que, a iluminação fornecida não exceda o necessário, o que é muito comum. Este cálculo permite que se atinja um maior conforto lumínico no espaço, garantindo que todos os espaços estejam confortavelmente iluminados. Para isso considera-se a iluminação mínima de 500 lumens para área de pouca permanência e 1000 lumens para áreas de trabalho. Calcula-se também uma previsão da iluminação natural ao longo do dia e durante as diferentes situações do céu (dia de sol, céu encoberto, por exemplo) para verficar em quais situações a iluminação artificial será necessária. Hoje é possível planejar a iluminação através de programas computacionais que fornecem os dados sobre a iluminação natural.

3. Criar diferentes circuitos de iluminação: ao se verificar que a iluminação natural muda em cada área do espaço é preciso que os circuitos de iluminação sejam projetados a partir destas situações, para que fiquem ligadas apenas as lâmpadas necessárias para cada situação. A criação de circuitos diferentes para iluminação geral e iluminação específica é uma forma de se manter ligadas apenas as lâmpadas necessárias para cada tarefa. Um local nunca é homogêneo em iluminação natural e o que ocorre é que no final do dia, algumas áreas sofrem escurecimento mais cedo e a iluminação artificial deve prever estas áreas, fornecendo iluminação apenas nestes pontos, diminuindo os consumos energéticos. A iluminação artificial poderá ser ligada gradativamente, na medida que a iluminação natural vai decaindo. Já existem no mercado aparelhos de automação que fazem esta função automaticamente através de dimers. Os dimers manuais também são muito eficientes nestas situações. É importante lembrar que há muitas lâmpadas econômicas que não podem ser dimerizadas. A seguir um exemplo de iluminação artificial e natural em conjunto:

4. Utilização de luminárias eficientes: muitas luminárias do mercado não aproveitam toda a iluminação da lâmpada, sendo que parte dela é perdida, sendo necessário um consumo maior de energia. As luminárias com policarbonato, por exemplo, podem perder até 40% da iluminação. Cada luminária deve ser escolhida para cada uso, por exemplo, para a as área de trabalho, é muito indicado a iluminação por pendentes, que aproximam a iluminação da mesa; outro exemplo é a iluminação geral por lâmpadas refletoras que rebatem a luz internamente fazendo a luz distribuir melhor pelo ambiente. A seguir exemplos:

5. Equipamentos eficientes: por fim o uso de lâmpadas de baixo consumo são a melhor opção para iluminar ambientes, há hoje no mercado uma variedade grande de lâmpadas eficientes. Para garantir a eficiência da lâmpadas o fornecedor sempre informa a quantidade de lumens por watt, ou seja, quanto ilumina cada Watt consumido pela lâmpadas. São consideradas lâmpadas eficientes aquelas que têm mais de 60lm/w.

Veja o exemplo da loja Eco Moda para Crianças, projetada pela Ecodhome, que utilizou leds, lâmpadas fluorescentes modernas e lâmpadas de vapor metálico, que são consideradas muito eficientes:

VEJA O PROJETO AQUI!

Você precisa de um projeto eficiente? Entre em contato com a Ecodhome.

Casa Modelo de Sustentabilidade

Com intuito de servir de modelo para quem quer construir de forma mais sustentável, a Casa modelo foi criada pelo escritório Ecodhome e já possui 1 ano de existência. A Casa modelo chamada de Ecohabitat serve como uma exposição de tecnologias sustentáveis, saúdáveis e viáveis. Foi construída em Florianópolis e faz uso de diversas soluções de sustentabilidade:

– PROJETO BIOCLIMÁTICO: desenvolvido a partir de simulações computacionais para prever a iluminação e ventilação naturais, além de garantir o conforto térmico da casa sem uso de sistemas artificiais.
– TERRAÇO VERDE: para aumentar a cobertura verde minimizando o efeito das ilhas de calor;
– OCUPAÇÃO SUSTENTÁVEL: a casa é compacta e ocupa uma porção pequena do terreno, o restante é tratado com paisagismo ecológico e revesitimentos permeáveis para absorver as aguas pluviais, evitando enchentes e criando maior integração com o ecossistema local;
– MATERIAIS DE BAIXO IMPACTO: todos os materiais da obra foram selecionados rigorosamente e devem obedecer a alguns critérios de sustentabilidade: baixa emissão de poluentes, princípios de reciclagem, materiais regionais, madeiras certificadas, tintas de baixa emissão, entre outros;
– SISTEMA DE ÁGUA E ESGOTO ECOLÓGICOS: a casa faz proveito de água de chuva e limpa e reaproveita águas cinza (águas das lavações). As águas cinza passam por uma tratamento natural por filtro plantado e é reaproveitada nos vasos sanitários;
– ILUMINAÇÃO EFICIENTE: a iluminação diurna é sempre garantida por iluminação natural e a noturna é feita por lâmpas eficientes como fluorescentes e leds.

Este projeto e todas as suas soluções de saneamento e materiais está sendo disponibilizado para comercialização na loja virtual da Ecodhome, entre em contato!

eco casa
Ficha técnica:

Local: Florianópolis – SC

Ano do projeto: 2008

Soluções de sustentabilidade: projeto bioclimático fazendo uso de direconamentos propícios de Feng Shui, utilização de materiais de baixo impacto como tijolo de solo-cimento, telhado verde, reuso de água de chuva e de águas cinza, e aquecimento solar de água.

Projeto arquitetônico: Arq. Carine Nath

Veja o programa Missao casa mostrando a Casa Modelo:

Consultoria em arquitetura sustentável

Muito se fala em arquitetura sustentável, mas poucos sabem o que envolve uma consultoria em construção sustentável.

A consultoria, fornecida pela Ecodhome, é uma orientação no atendimento de exigências de sustentabilidade em projetos e obras. A consultoria funciona pelo acompanhamento do projeto do empreendimento e indicação de todas as modificação ou adaptações a partir de avaliações bastante complexas, envolvendo, inclusive, simulações e cálculos.  A consultoria geralmente acontece de acordo com as seguintes etapas:

Indicação das premissas de projeto: a Ecodhome pode ajudar desde a escolha do terreno, optando por locais em que o impacto de uma edificação seja minimizado até indicações da implantação do empreendimento de acordo com estratégias bioclimáticas e premissas da construção sustentável.

Avaliação dos estudos preliminares: a partir da definição da ocupação do terreno, parte-se para a avaliação dos primeiros esboços do projeto, quando são avaliadas de forma mais aprofundada, as questões bioclimáticas. Veja um exemplo de avaliação e indicações para o projeto de uma ecoloja:

Elaboração de relatório final com indicações das minimizações dos impactos ambientais e humanos – nesta etapa, todos os princípios de sustentabilidade são avaliados e as correções são indicadas abrangendo:

Recomendação dos materiais de menor impacto para toda a obra;

Recomendação de estratégias bioclimáticas com simulação computacional para verificação de insolação e sombreamento e recomendação de materiais, componentes e estratégias para melhoria do conforto;

Recomendação para projeto elétrico e luminotécnico, com memoriais de cálculos e especificação de materiais;

Projetos especiais para sistemas de saneamento sustentável (uso racional de água, aproveitamento de água de chuva, reaproveitamento de águas cinza, tratamento de efluentes);

Gestão de obras para minimização dos impactos causados pelo canteiro;

Memorial de minimização de impactos ambientais: especialmente desenvolvido ao final da consultoria para orientar todo o processo e mostrar quais as estratégias utilizadas, como foram utilizadas, memoriais de cálculo contendo porcentagens de economia de energia e água e redução de efluentes e resíduos.

Há ainda outras formas de consultoria na área de construção sustentável e a Ecodhome vem se especializando para atender este vasto mercado que vem precisando cada vez mais de profissionais competentes e especializados:

  • CONSULTORIA PARA CERTIFICAÇÕES (GREEN BUILDING)

A Ecodhome presta consultoria para adequação de projetos de terceiros aos critérios dos principais selos do Brasil: LEED e AQUA.

  • CONSULTORIA PARA SEU ECONEGÓCIO

A Ecodhome, por possuir vasto conhecimento sobre a influência dos materiais de construção e suas substâncias componentes na saúde e na natureza, oferece uma consultoria especial para quem quer fabricar um produto “verde” ou abrir um negócio no ramo de ecoprodutos para a construção. É possível fazer uma avaliação dos produtos e seu ciclo de vida, com base em grande documentação arquivada pela Ecodhome, para assim avaliar seu grau de impacto na natureza.

  • CONSULTORIA EM MATERIAIS

A Ecodhome possui um banco de dados de materiais e componentes de construção e estuda, junto ao cliente, as melhores soluções para a obra, respeitando condições estéticas, práticas e econômicas.