Modelo de sustentabilidade na arquitetura: Real Goods Solar Living Center

O trabalho do arquiteto Sim Van Der Ryn é notável na área da sustentabilidade. Segundo seu portifólio, ele segue o princípio do Design for Life, ou seja, “desenho para a vida“, projetos feitos para valorizar a vida, inspirados na natureza, nos seus processos e ciclos e formas.

O projeto Real Goods Solar Living Center é um dos maiores modelos de sustentabilidade aplicada à arquitetura. Está localizado na Califórnia, EUA e foi projetado em 1996. Seus princípios de arquitetura sustentável são:

– projeto bioclimático;

– paisagismo sustentável com criação de espécies orgânicas;

– autonomia de energia;

– uso de água de chuva;

– materiais de baixo impacto, como a terra estabilizada (paredes em taipa).

A forma do complexo construído partiu do formato da espiral áurea, que é uma espiral logarítmica com um valor específico para o fator de crescimento. Este padrão é muito encontrado na natureza e para muitos estudiosos, é uma proporção pela qual identificamos a harmonia das formas. Os edifícios ao redor são escalonados e permitem que a luz e o calor do sol entre em cada ambiente de acordo com a necessidade de cada estação do ano.

Arquitetura sustentável

arquitetura bioclimática

A arquitetura bioclimática dos edifícios faz uso de luz natural com proteção através de brises:

Brises na arquitetura

No centro deste complexo está um espelho de água em espiral que serve para melhorar a umidade do ar e criar um elemento natural harmonico no centro.

Espelho dágua

Lago ornamental em espiral

O uso e efeito da luz natural nos ambientes tem grande importância nos espaços e são tratados de forma especial pelo benefício que trazem para os usuários. Um exemplo disso é a iluminação natural da loja, que vende produtos naturais feitos no local, as aberturas superiores é suficiente para iluminar o ambiente  e no meio da loja prismas criam um arco iris no chão pela incidência da luz solar.

Efeito de luz natural

As unidades habitacionais são criadas dentro do mesmo princípio, com formas orgânicas e paredes feitas em taipa. cada unidade tem sua produção própria de alimento:

O complexo é auto suficiente em energia, há fontes de energia alternativas em todos os espaços:

Fontes de energia alternativas

Como você pode diminuir o uso do cimento da sua obra?

A indústria do cimento, principalmente no Brasil, tem elevado poder poluidor, além de consumir materiais e energia de fontes não renováveis. A produção global de cimento portland é responsável por algo em torno de 6% de todas as emissões antropogênicas de CO2 (John, Oliveira e Agopyan, 2005). Durante as queimas ocorridas nos fornos de clínquer, um volume grande de material particulado é emitido na atmosfera e muita energia é gasta. A indústria do cimento, pela sua magnitude, consome 5% do consumo total de energia do setor industrial.

Porém não podemos ficar sem o cimento, esta grande invenção de mais de 5 mil anos e que propiciou a construção de obras fantásticas. O que podemos fazer é usar recursos para não ficarmos tão dependentes desta matéria-prima e usá-la de forma mais sustentável:

  1. Contrate um engenheiro calculista, uma estrutura bem calculada fará com que não haja excesso de concreto armado na obra o que é comum quando a obra é feita por leigos que preferem “errar pelo excesso”;
  2. Alivie cargas na obra utilizando materiais leves, assim as estruturas ficarão mais delgadas fazendo menor uso do cimento;
  3. O uso de tijolo cerâmico maciço ou blocos de solo estabilizado (solo-cal, adobe…) aparentes diminui muito o uso do cimento porque dispensa pilares e vigas de concreto e dispensa o reboco;
  4. Contrate mão-de-obra qualificada, o que evitará desperdício de cimento, principalmente em rebocos muito espessos;
  5. Substitua o cimento pela cal, que bem menos poluente. A substituição pode ser completa na massa de assentamento: use a proporção de uma parte de cal para 4 de areia.
Há alguns produtos no mercado bastante eficientes no uso do cimento, como é o exemplo do Reboco fino:

No Brasil, como a produção do cimento é bastante diversificada e dispersa, dependendo dos recursos locais, cada região brasileira conta com a disponibilidade de algum tipo diferente de cimento. No nordeste brasileiro, optar pelo cimento CPIII, por exemplo, além de ser alternativa mais sustentável, é mais econômica e mais viável, por ser o tipo de cimento mais comum na região. No sul do Brasil, o uso mais comum é do CP IV, ou cimento pozolânico, que possui em sua mistura cinza volante resultante da queima de carvão mineral[1].

QUER SABER MAIS SOBRE MATERIAIS E OBRAS MAIS SUSTENTÁVEIS?

ACESSE NOSSA LOJA VIRTUAL E VEJA NOSSA APOSTILA:

 


[1] O estado de Santa Catarina é grande produtor de carvão mineral, já possui uma grande reserva.

Casas com material reciclado

Já tem gente construindo casas inteiras com “lixo”, isto mesmo, procurando na internet, encontrei alguns modelos de casas feitas com aproveitamento de garrafas PET, pneus, etc. O conceito chama-se EarthShip, e já há dezenas delas construídas nos EUA e na América Latina.

Veja alguns exemplos:

Esta casa em Honduras foi construída com 8000 garrafas PET, veja site Green Diary.

Esta casa popular foi construída no México:

Crianças fazendo uma parede de garrafas PET na Argentina:

Veja as obras de algumas EarthShips:

E o resultado final:

Casa eco

Alguns detalhes com uso de garrafas de vidro:

Estilos de Eco Casas

Não esquecendo que este blogue também trata de arquitetura sustentável, aí vão algumas eco casas que achei no site da INHABITAT. Saiba que para ter uma arquitetura mais sustentável, não é preciso aderir ao estilo rústico, como muitos pensam, nem abrir mão da tecnologia. Seja qual for seu estilo, sua casa pode e deve ser mais sustentável, veja:

Seu estilo é minimalista? Veja esta eco casa de Amsterdam:

ou esta, de David Easton:

Seu estilo é mais orgânico? Esta casa fica na Suécia:

Seu estilo é contemporâneo, mas aconchegante? Veja esta casa de Bambu:


Seu estilo é mais tradicional? Esta bela casa é feita de terra crua, pelo arquiteto David Easton:

Prefere uma casa ecológica integrada com a natureza? um belo telhado verde faz esta função:

Construção com terra crua

A construção com Terra é uma das técnicas mais antigas utilizadas na construção civil. Seu resgate vem se intensificando na última década na medida em que a demanda por construções mais sustentáveis se estabelece. O alto custo energético dos materiais utilizados hoje (como o tijolo de barro cozido) faz o homem voltar seus olhos para a terra: inesgotável e acessível a todos.
Segundo o ABCTerra, a desvalorização da terra como material construtivo remonta há pouco mais de três séculos, quando a terra crua foi substituída pelo tijolo cozido, posteriormente industrializado e promovido pela sociedade industrial rica em energia (pois sua produção exige a queima de madeira, energia fóssil ou eletricidade). A partir de então, a casa de terra crua passou a significar habitação característica dos menos favorecidos e, portanto, repudiada. Mas este quadro se alterou a partir de 1973, com a crise de energia, aliada às preocupações ecológicas e à mudança de mentalidade dos escalões superiores das sociedades desenvolvidas.

EASTON (2006) acredita que hoje, metade da população mundial ainda vive ou trabalha em construções feitas com terra. Segundo dados do HABITERRA, 200 milhões de pessoas constroem com terra crua ainda hoje no mundo. Para a ABCTerra (Associação Brasileira dos Construtores com Terra), a construção com terra rompe a impessoalidade que caracteriza as construções padronizadas das grandes metrópoles.

Para CASANOVA (2003) as vantagens da construção com terra ainda vão desde a economia até a ecologia. Ele acredita que uma casa de alvenaria de 40 metros quadrados pode ficar 40% mais barata se for construída com terra. Para a mesma casa dispensando-se o tijolo cozido, menos 12 árvores de médio porte ou 170 litros de óleo deixam de ser queimados, gerando menos poluição e CO2 na atmosfera.

A construção com terra passou por inúmeros processos através dos tempos adequando-se às necessidades de cada cultura e local. Muitos estudos ultimamente vêm procurando formas de melhorar o comportamento físico-mecânico deste tipo de material para garantir-lhe longevidade e conseqüentemente viabilidade técnica.

As técnicas que utilizam a terra crua são diversas, podem ser tradicionais e artesanais como:
o Adobe: como os utilizados nessas imagens da casa Cantar do grilo feita pelo escritório português Betão e Taipa:

Pau a Pique, como neste projeto atual:

Paredes Monolíticas (TAIPA), como nesta casa americana:

O Cob., que é um sistema mais artesanal, feito com as mãos, alisando a parede, utilizando uma mistura com esterco:

O Cob Wood, que é bem interessante, por utilizar blocos de troncos de madeira:

Hoje há muitas técnicas atualizadas de construção com terra crua:
PISÉ para paredes monolíticas com uso de mangueira de alta pressão. O Pise é utilizado nas obras do arquiteto David Easton:

BLOCOS INDUSTRIALIZADOS DE SOLO CIMENTO: fabrica blocos de tijolo de solo cimento e vende prensas manuais e hidráulicas. A casa Modelo foi feita em blocos de solo-cimento, veja a parede de tijolos aparentes na escada: